Avançar para o conteúdo principal

Prémio Nacional de Poesia Sebastião da Gama 2013 já tem vencedor: António Canteiro


António Canteiro é o vencedor da 14ª edição do Prémio Nacional de Poesia Sebastião da Gama com a obra O silêncio solar das manhãs.
Assinado pelo pseudónimo “Rosa Cravo”, este livro foi considerado pelo júri, em reunião havida ontem, como o merecedor do prémio, num conjunto de cerca de seis dezenas de trabalhos apresentados a concurso, em virtude da sua força de imagens, do domínio metafórico e da experiência de oficina que demonstra.
O prémio será entregue em cerimónia pública a decorrer em Azeitão, na Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense, em 27 de Abril, altura em que será apresentada a primeira edição da obra.
António Canteiro é o pseudónimo de João Carlos Costa da Cruz (n. 1964), de Cantanhede, técnico superior de reinserção social, que já obteve diversos galardões literários e é autor de O Largo da Capella (2012) e de Ao redor dos muros (2010), tendo este último sido o vencedor do Prémio Alves Redol de 2009.

Recorde-se que o Prémio Nacional de Poesia Sebastião da Gama foi certame criado em 1988, em Azeitão, pelas Juntas de Freguesia de S. Lourenço e de S. Simão, e teve realização anual até 1993 (6ª edição). A partir daí, passou a ser um concurso bienal até à sua 10ª edição, tendo, depois sofrido interrupção. O certame foi retomado em 2007 (11ª edição).
O primeiro trabalho vencedor deste Prémio, em 1988, foi a obra Água das Pedras, assinado pelo pseudónimo Maria Helena Salgado, correspondendo à autora Maria do Rosário Pedreira, escritora e editora reconhecida. Este trabalho mereceu publicação no ano seguinte (Setúbal: Folha d’Hera). Outros vencedores das várias edições deste Prémio foram Hugo Santos (1989 e 1991), Maria Graciete Besse (1992), Graça Pires (1993), João Carlos Lopes Pereira (1995), Alberto Marques (1997), Firmino Mendes (1999), António Menano (2001), Amadeu Baptista (2007), José Carlos Barros (1990 e 2009) e Paulo Assim (2011).

Comentários

  1. Bom dia. Muitos parabéns ao vencedor. Em relação ao júri do prémio, que, já agora, gostaria de saber a sua composição, uma vez que não consta no regulamento, tenho a lamentar que não premeiem novos e possíveis valores da literatura. Sei que é prestigiante para o prémio e para a respectiva organização atribuir galardões a quem já tem reconhecimento na área, com distinções e obra publicada. Bem, mas como "Pelo Sonho é Que Vamos", vou continuar a tentar.

    ResponderEliminar
  2. Os meus sinceros Parabéns ao Poeta António Canteiro!

    ResponderEliminar
  3. Caro(a) "sm",
    A seu tempo será divulgada a composição do júri, que não é secreto. Quanto à observação que faz de não serem premiados "novos e possíveis valores da literatura", é uma questão que ultrapassa o júri, porquanto não é do seu conhecimento quem são os concorrentes; o júri apenas conhece a quem corresponde o pseudónimo do trabalho vencedor após a escolha desse mesmo trabalho, como exige o regulamento. Depois disto, nem sabe quem são os outros concorrentes, apenas conhecerá outros pseudónimos, pois não se procede a essas correspondências. Qualquer bom trabalho prestigia o Prémio! Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  4. As menções honrosas são secretas?

    ResponderEliminar
  5. Caro(a) Anónimo(a) [e "secreto(a)"],
    Muito embora o regulamento desse a possibilidade ao júri de indicar até duas menções honrosas, não houve a utilização de tal direito por parte do júri. Apenas existiu a indicação do trabalho premiado. Quanto ao adjectivo "secretas" escolhido...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Dia 7 de dezembro - Assembleia extraordinária

"Pequeno poema" ou uma evocação do nascimento

"Pequeno poema" (Aqui e além. Dir: José Ribeiro dos Santos e Mário Neves. Lisboa: nº 3, Dezembro.1945, pg. 14)
O dia do nascimento quis perpetuá-lo Sebastião da Gama num dos seus textos poéticos. E assim surgiu “Pequeno Poema”, escrito em 7 de Maio de 1945 e, em Dezembro desse ano, publicado no terceiro número da revista Aqui e além e no seu primeiro livro, Serra Mãe, cuja primeira edição data também desse Dezembro. De tal forma a sua mensagem é forte, seja pela imagem da mãe, seja pela alegria de viver, que este texto aparece não raro nas antologias poéticas, temáticas ou não, como se pode ilustrar através dos seguintes exemplos: Leituras II [Virgílio Couto (org.). Lisboa: Livraria Didáctica, 1948?, pg. 74 (com o título “Quando eu nasci”)], Ser Mãe [Paula Mateus (sel.). Pássaro de Fogo Editora, 2006, pg. 45], A mãe na poesia portuguesa [Albano Martins (sel.). Lisboa: Público, 2006, pg. 310]. (JRR)

"Serra-Mãe", o primeiro livro de Sebastião da Gama

O primeiro livro de Sebastião da Gama foi Serra-Mãi (assim mesmo escrito), saído a público em Dezembro de 1945, com desenho de capa de Lino António, obra que muito cuidou e para a qual levou a preceito a selecção dos seus poemas.
Nesta altura, Sebastião da Gama, com 21 anos, era ainda estudante no curso de Românicas, na Faculdade de Letras de Lisboa. Tivera uma hipótese de a Livraria Portugália lhe editar o livro, mas, a 24 de Outubro, era-lhe dirigida uma carta, dizando que, naquele momento, não interessavam à editora “as publicações não integradas no plano” editorial, porque havia encargos com cerca de uma centena de originais, já pagos a autores e tradutores, e não havia como “dar vazão” a esse trabalho.
A família de Sebastião da Gama assumiu, então, os encargos financeiros advenientes da edição e o livro foi publicado com a chancela da Portugália, enquanto distribuidora. Com obra, dedicada a Alexandre Cardoso, seu tio, assumia o risco de vir a ser o “poeta da Arrábida”, elegendo a s…