sábado, 17 de novembro de 2012

António Osório, as memórias em Setúbal


António Osório, poeta natural de Setúbal, vai ter aqui apresentado o seu segundo livro de memórias, O concerto interior - Evocações de um poeta (Assírio & Alvim, 2012). É já no dia 22, pelas 21h30, na sala polivalente do Forum Luísa Todi, numa organização da Associação Cultural Sebastião da Gama e da Delegação de Setúbal da Ordem dos Advogados. A iniciativa tem a colaboração da livraria Culsete e a participação do actor José Nobre, que lerá textos. Entrada livre. Serve de convite.

Eugénio Lisboa e a sinceridade de Sebastião da Gama




A obra de Sebastião da Gama foi visitada por Eugénio Lisboa numa excelente comunicação apresentada na Biblioteca Municipal de Setúbal na noite de 16 de Novembro, actividade promovida pela Associação Cultural Sebastião da Gama. Como tema, uma ideia muito querida da geração do poeta azeitonense – “Não ter vergonha de ser sincero”.
Eugénio Lisboa, estudioso atento da literatura portuguesa, mostrou bem aquilo que Maximiano Gonçalves (que o apresentou) indicou como “o seu prodigioso aparelho cultural” através “da internacionalização do que leu, do que ouviu, do que viu, do que sentiu”. Com efeito, a comunicação de Eugénio Lisboa não versou apenas a sinceridade em Sebastião da Gama, mas também em muitos outros escritores, não apenas portugueses, transportando para esta conferência não apenas o eventual interesse local mas a universalidade da literatura.
«Sebastião da Gama é um dos poucos escritores do qual se pode dizer, sem hesitar, que o homem que fez a obra coincide, ponto por ponto, com o homem que a obra faz supor», começou por dizer Eugénio Lisboa, que não conheceu pessoalmente o autor de Serra-Mãe, mas dele conseguiu ter o retrato através de amigos como Alberto Lacerda e José Régio, além do recurso aos seus escritos.
Eurico Lisboa seguiu, de resto, muito a visão de Régio, poeta de quem Sebastião da Gama muito se aproximou. A correspondência e outros registos regianos passaram por esta conversa de Eurico Lisboa de tal maneira que foi possível à assistência reviver o que pode ter sido o convívio entre estas duas figuras e quais seriam os dotes que Sebastião da Gama detinha, não só na sua forma de estar, mas também na sua escrita – «a imagem de um ser humano dotado de dons poéticos, no melhor sentido desta expressão: de um ser humano dotado de frescura, de sinceridade, de pureza, de uma quase mágica comunhão com tudo o que vive, de um respeito minucioso e infinito para com a natureza, de uma espécie de afecto muito simples mas, ao mesmo tempo, muito transcendente».
Outro aspecto apresentado por Eugénio Lisboa foi a questão da morte na poesia de Sebastião da Gama, que constituiu «um grande incentivo para cantar a vida», com especial chamada de atenção para o facto de não ter sido o sofrimento a causa da obra, antes a existência de um talento que «se fez ouvir, apesar de e não por causa da sua doença», forma de reconhecer o mérito do poeta. A finalizar, Eugénio Lisboa registou a sua inquietação com uma pergunta, para que encontrou resposta emprestada pelo autor de Um eléctrico chamado desejo: «O que faz que se possa nascer com tanto talento e, tão prematuramente, ferido de morte? Não sei responder, confesso. Mas sempre vos deixo, aqui, a propósito, e para acabar, estas palavras do dramaturgo americano Tennessee Williams: ’A vida é uma pergunta sem resposta, mas seja-nos permitido acreditar na dignidade e na importância da pergunta.’» - JRR
[foto: Eugénio Lisboa na Biblioteca Municipal de Setúbal]

"Fernando Pessoa e a Gestão" em apresentação de Maximiano Gonçalves




Que Fernando Pessoa tinha escrito sobre gestão, legando muitas indicações hoje preciosas, caldeadas no seu mister de guarda-livros e também numa biblioteca de economia que foi construindo, não se ignorava. Mas Maximiano Gonçalves apresentou ao público da Biblioteca Municipal de Setúbal o trajecto do poeta e guarda-livros a um ritmo de certeira descoberta, cruzando os escritos pessoanos com aquilo que hoje sabemos que domina a gestão.
Maximiano Gonçalves foi o convidado da Associação Cultural Sebastião da Gama para, na noite de 3 de Novembro, falar sobre “Fernando Pessoa e a gestão”. Colaborador do Diário de Notícias, da RDP, da TSF e do Le Monde Diplomatique, Maximiano Gonçalves já trabalhou em gestão e leccionou nessa área, versando a liderança, a dinamização de recursos humanos e comportamento organizacional. Tem publicada a obra Dizer é preciso (1998), que reúne as suas crónicas transmitidas na RDP.
Fernando Pessoa não foi caso único neste ofício de empregado de escritório, que era também correspondente de línguas, tradutor e publicitário. Nomes grados como Erich Maria Remarque ou Fitzgerald também passaram pela publicidade, como Pessoa. Além disso, o escritor dos heterónimos chegou a criar a sua própria empresa no mundo da edição, a Íbis, ainda que com resultados modestos. Defensor da livre empresa, Pessoa avançou em Portugal com a ideia de consultoria e teorizou sobre organização. De igual forma apregoou princípios que relacionam as empresas com as sociedades em que estão envolvidas – “as empresas comerciais e industriais participam do estado moral das sociedades a que pertencem”.
Foi todo este universo que Maximiano Gonçalves nos levou a visitar perante uma assembleia atenta. Afinal, falava-se também de Fernando Pessoa, o poeta que Sebastião da Gama admirou, leu, estudou, chegando mesmo a revelar essas leituras nos seus poemas! - JRR
[na foto: Manuel Pisco (vereador da CMS), Maximiano Gonaçalves e João Reis Ribeiro (ACSG)]

domingo, 11 de novembro de 2012

Sebastião da Gama visto por Eugénio Lisboa



Eugénio Lisboa é um nome incontornável na cultura portuguesa actual, seja pela sua dedicação à literatura (apesar da sua formação em engenharia), seja pelo estudo aturado que tem feito sobre diversos autores (designadamente José Régio), seja pelo conhecimento vasto relativo à literatura memorialística, seja pelas intervenções cívicas que tem feito.
Vamos ter a possibilidade de o ouvir em Setúbal, desta vez para falar sobre Sebastião da Gama. Serve de convite. Até ao dia 16!