Avançar para o conteúdo principal

"Fernando Pessoa e a Gestão" em apresentação de Maximiano Gonçalves




Que Fernando Pessoa tinha escrito sobre gestão, legando muitas indicações hoje preciosas, caldeadas no seu mister de guarda-livros e também numa biblioteca de economia que foi construindo, não se ignorava. Mas Maximiano Gonçalves apresentou ao público da Biblioteca Municipal de Setúbal o trajecto do poeta e guarda-livros a um ritmo de certeira descoberta, cruzando os escritos pessoanos com aquilo que hoje sabemos que domina a gestão.
Maximiano Gonçalves foi o convidado da Associação Cultural Sebastião da Gama para, na noite de 3 de Novembro, falar sobre “Fernando Pessoa e a gestão”. Colaborador do Diário de Notícias, da RDP, da TSF e do Le Monde Diplomatique, Maximiano Gonçalves já trabalhou em gestão e leccionou nessa área, versando a liderança, a dinamização de recursos humanos e comportamento organizacional. Tem publicada a obra Dizer é preciso (1998), que reúne as suas crónicas transmitidas na RDP.
Fernando Pessoa não foi caso único neste ofício de empregado de escritório, que era também correspondente de línguas, tradutor e publicitário. Nomes grados como Erich Maria Remarque ou Fitzgerald também passaram pela publicidade, como Pessoa. Além disso, o escritor dos heterónimos chegou a criar a sua própria empresa no mundo da edição, a Íbis, ainda que com resultados modestos. Defensor da livre empresa, Pessoa avançou em Portugal com a ideia de consultoria e teorizou sobre organização. De igual forma apregoou princípios que relacionam as empresas com as sociedades em que estão envolvidas – “as empresas comerciais e industriais participam do estado moral das sociedades a que pertencem”.
Foi todo este universo que Maximiano Gonçalves nos levou a visitar perante uma assembleia atenta. Afinal, falava-se também de Fernando Pessoa, o poeta que Sebastião da Gama admirou, leu, estudou, chegando mesmo a revelar essas leituras nos seus poemas! - JRR
[na foto: Manuel Pisco (vereador da CMS), Maximiano Gonaçalves e João Reis Ribeiro (ACSG)]

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dia 7 de dezembro - Assembleia extraordinária

"Pequeno poema" ou uma evocação do nascimento

"Pequeno poema" (Aqui e além. Dir: José Ribeiro dos Santos e Mário Neves. Lisboa: nº 3, Dezembro.1945, pg. 14)
O dia do nascimento quis perpetuá-lo Sebastião da Gama num dos seus textos poéticos. E assim surgiu “Pequeno Poema”, escrito em 7 de Maio de 1945 e, em Dezembro desse ano, publicado no terceiro número da revista Aqui e além e no seu primeiro livro, Serra Mãe, cuja primeira edição data também desse Dezembro. De tal forma a sua mensagem é forte, seja pela imagem da mãe, seja pela alegria de viver, que este texto aparece não raro nas antologias poéticas, temáticas ou não, como se pode ilustrar através dos seguintes exemplos: Leituras II [Virgílio Couto (org.). Lisboa: Livraria Didáctica, 1948?, pg. 74 (com o título “Quando eu nasci”)], Ser Mãe [Paula Mateus (sel.). Pássaro de Fogo Editora, 2006, pg. 45], A mãe na poesia portuguesa [Albano Martins (sel.). Lisboa: Público, 2006, pg. 310]. (JRR)

"Serra-Mãe", o primeiro livro de Sebastião da Gama

O primeiro livro de Sebastião da Gama foi Serra-Mãi (assim mesmo escrito), saído a público em Dezembro de 1945, com desenho de capa de Lino António, obra que muito cuidou e para a qual levou a preceito a selecção dos seus poemas.
Nesta altura, Sebastião da Gama, com 21 anos, era ainda estudante no curso de Românicas, na Faculdade de Letras de Lisboa. Tivera uma hipótese de a Livraria Portugália lhe editar o livro, mas, a 24 de Outubro, era-lhe dirigida uma carta, dizando que, naquele momento, não interessavam à editora “as publicações não integradas no plano” editorial, porque havia encargos com cerca de uma centena de originais, já pagos a autores e tradutores, e não havia como “dar vazão” a esse trabalho.
A família de Sebastião da Gama assumiu, então, os encargos financeiros advenientes da edição e o livro foi publicado com a chancela da Portugália, enquanto distribuidora. Com obra, dedicada a Alexandre Cardoso, seu tio, assumia o risco de vir a ser o “poeta da Arrábida”, elegendo a s…