sábado, 24 de maio de 2014

"Cantilena", de Sebastião da Gama, cantado por Francisco Fanhais



Com a edição do Público de hoje completa-se a colecção “Canto & Autores” (Levoir Marketing / “Público”), de treze títulos, sendo este volume dedicado a Francisco Fanhais, constituído por booklet assinado por António Pires com um texto resultante de entrevista testemunhal a Fanhais e por um cd com 17 faixas, em que a canção “Cantilena” (letra de Sebastião da Gama e música de Francisco Fanhais) ocupa a sexta posição no alinhamento. Por este cd passam ainda versos de Manuel Alegre, de Sophia de Mello Breyner, de César Pratas e de António Aleixo, entre outros.
O poema “Cantilena”, cujo primeiro verso é “Cortaram as asas ao rouxinol”, foi escrito por Sebastião da Gama em 25 de Novembro de 1946 e, logo no ano seguinte, escolhido para o que viria a ser o segundo livro do poeta, Cabo da boa esperança (1947).
É um dos poemas clássicos da obra de Sebastião da Gama quando se quer referir a presença dos animais na poesia portuguesa, tal como se pode ver na antologia Os animais na poesia, organizada por Graça Magalhães em 2007 (Col. “1001 Livros”. Lisboa: Lisboa Editora).
No entanto, este poema também tem servido para uma leitura sobre a liberdade, interpretação para que muito contribuíram o arranjo musical e a voz de Francisco Fanhais na década de 1960. Foi, aliás, este um dos poemas que Fanhais cantou na sua intervenção no programa “Zip-Zip”, transmitido na RTP em 1969… e que o próprio cantor fez inserir numa das suas gravações discográficas. Com a mesma leitura em prol da liberdade, foi este poema inserido na antologia Lá Longe, a Paz – A Guerra em Histórias e Poemas, organizada por Manuela Fonseca, Irène Koenders, Annemie Leysen e Carol Fox (Porto: Edições Afrontamento, 2001).

Para lá de outros interesses que estejam envolvidos na escolha deste cd, ele constitui uma boa oportunidade para se ouvir Sebastião da Gama na voz de Fanhais!

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Joana Luísa da Gama vista por Ana Manuel Guerreiro


Um interessante testemunho sobre Joana Luísa da Gama foi publicado na última edição do Jornal de Azeitão (nº 212, Maio.2014, pg. 5), devido a Ana Manuel Guerreiro, que aqui reproduzimos.


quinta-feira, 1 de maio de 2014

Joana Luísa da Gama (1923-2014) - Agradecimento


Em nome de todos os sobrinhos e do seu cunhado, vimos através deste meio expressar a mais profunda gratidão a todos os que acompanharam as cerimónias fúnebres de Joana Luísa Gama e aos que manifestaram o seu pesar das mais diversas formas (telefonemas, mensagens, flores...).
Sinceros agradecimentos a todos os Amigos que a acompanharam ao longo da sua vida e que sempre expressaram a sua amizade e afeição.
Também gostaríamos de agradecer àqueles que deram assistência, dedicação e a acarinharam ao longo da sua doença.
Para todos o nosso sincero reconhecimento.

Acreditamos que a missão mais importante da Tia Joana Luísa foi continuar a divulgação da obra e da mensagem de Sebastião da Gama. Gostaríamos de agradecer profundamente a todas as entidades e pessoas que desde sempre contribuíram directa ou indirectamente para que esta missão se pudesse concretizar. Foi sempre com alegria imensa e grande disponibilidade que partilhou recordações, vivências e a obra de Sebastião da Gama.
A Tia Luísa ficará para sempre nos nossos corações.
O mais profundo Obrigado.

Luís de Gonzaga Machado (cunhado) e sobrinhos João José, Luís Manuel, Carlos Alberto e respetivas famílias (Oliveira Rodrigues) e Luís Fernando, Maria Helena, Maria da Conceição, José Manuel, Ana Maria, Maria Paula, Maria João, Nuno e respetivas famílias (Rodrigues de Gonzaga Machado)