Avançar para o conteúdo principal

Joana Luísa da Gama (1923-2014) - Agradecimento


Em nome de todos os sobrinhos e do seu cunhado, vimos através deste meio expressar a mais profunda gratidão a todos os que acompanharam as cerimónias fúnebres de Joana Luísa Gama e aos que manifestaram o seu pesar das mais diversas formas (telefonemas, mensagens, flores...).
Sinceros agradecimentos a todos os Amigos que a acompanharam ao longo da sua vida e que sempre expressaram a sua amizade e afeição.
Também gostaríamos de agradecer àqueles que deram assistência, dedicação e a acarinharam ao longo da sua doença.
Para todos o nosso sincero reconhecimento.

Acreditamos que a missão mais importante da Tia Joana Luísa foi continuar a divulgação da obra e da mensagem de Sebastião da Gama. Gostaríamos de agradecer profundamente a todas as entidades e pessoas que desde sempre contribuíram directa ou indirectamente para que esta missão se pudesse concretizar. Foi sempre com alegria imensa e grande disponibilidade que partilhou recordações, vivências e a obra de Sebastião da Gama.
A Tia Luísa ficará para sempre nos nossos corações.
O mais profundo Obrigado.

Luís de Gonzaga Machado (cunhado) e sobrinhos João José, Luís Manuel, Carlos Alberto e respetivas famílias (Oliveira Rodrigues) e Luís Fernando, Maria Helena, Maria da Conceição, José Manuel, Ana Maria, Maria Paula, Maria João, Nuno e respetivas famílias (Rodrigues de Gonzaga Machado)

Comentários

  1. UMA MEMÓRIA




    A JOANA LUIZA DA GAMA





    UMA VELHINHA ATRAVESSOU A VIDA

    FEZ-SE GAIVOTA ESGUIA E BARCO A NAVEGAR

    SEGUIU OS CAMINHOS DAS FLORES

    DEIXOU NOS ARES DO CAIS A MARESIA E OS AROMAS

    NOS LONGES VISLUMBRA-SE AINDA UM POEMA

    QUE PERTINHO DE NÓS BATE O SEU CORAÇÃO

    NA DISTÂNCIA SÔFREGA DE NÃO SE ALCANÇAR

    OLHA-SE E SÓ SE VÊ O HORIZONTE DE CIINZA

    E UM MASTRO DE PÁSSARO A BALOIÇAR

    À TONA DA NOSSA ALMA SALGADA




    ResponderEliminar
  2. Assente o pó das emoções que nada nos deixam dizer, quero deixar um «obrigada!» a Joana Luísa pela riqueza dos momentos em que tive oportunidade de gozar da sua companhia e pela amizade que me dispensou.
    Há pessoas que nunca partem de dentro de nós. Assim é com Joana Luísa, que eu só conseguia tratar por Sr.ª D. Joana Luísa!
    Ficará sempre no meu coração e dela terei saudades.
    Que descanse em paz na companhia do seu querido Sebastião!
    MCT

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Dia 7 de dezembro - Assembleia extraordinária

"Pequeno poema" ou uma evocação do nascimento

"Pequeno poema" (Aqui e além. Dir: José Ribeiro dos Santos e Mário Neves. Lisboa: nº 3, Dezembro.1945, pg. 14)
O dia do nascimento quis perpetuá-lo Sebastião da Gama num dos seus textos poéticos. E assim surgiu “Pequeno Poema”, escrito em 7 de Maio de 1945 e, em Dezembro desse ano, publicado no terceiro número da revista Aqui e além e no seu primeiro livro, Serra Mãe, cuja primeira edição data também desse Dezembro. De tal forma a sua mensagem é forte, seja pela imagem da mãe, seja pela alegria de viver, que este texto aparece não raro nas antologias poéticas, temáticas ou não, como se pode ilustrar através dos seguintes exemplos: Leituras II [Virgílio Couto (org.). Lisboa: Livraria Didáctica, 1948?, pg. 74 (com o título “Quando eu nasci”)], Ser Mãe [Paula Mateus (sel.). Pássaro de Fogo Editora, 2006, pg. 45], A mãe na poesia portuguesa [Albano Martins (sel.). Lisboa: Público, 2006, pg. 310]. (JRR)

"Serra-Mãe", o primeiro livro de Sebastião da Gama

O primeiro livro de Sebastião da Gama foi Serra-Mãi (assim mesmo escrito), saído a público em Dezembro de 1945, com desenho de capa de Lino António, obra que muito cuidou e para a qual levou a preceito a selecção dos seus poemas.
Nesta altura, Sebastião da Gama, com 21 anos, era ainda estudante no curso de Românicas, na Faculdade de Letras de Lisboa. Tivera uma hipótese de a Livraria Portugália lhe editar o livro, mas, a 24 de Outubro, era-lhe dirigida uma carta, dizando que, naquele momento, não interessavam à editora “as publicações não integradas no plano” editorial, porque havia encargos com cerca de uma centena de originais, já pagos a autores e tradutores, e não havia como “dar vazão” a esse trabalho.
A família de Sebastião da Gama assumiu, então, os encargos financeiros advenientes da edição e o livro foi publicado com a chancela da Portugália, enquanto distribuidora. Com obra, dedicada a Alexandre Cardoso, seu tio, assumia o risco de vir a ser o “poeta da Arrábida”, elegendo a s…