Avançar para o conteúdo principal

Prémio Nacional de Poesia Sebastião da Gama (XIV edição) - Convite para a cerimónia de entrega



A entrega do 14º Prémio Nacional de Poesia Sebastião da Gama vai ocorrer em 27 de Abril, pelas 21h30, na sede da Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense, em Azeitão, em sessão com entrada livre, evento que terá a participação do Grupo de Teatro da SFPA com o espectáculo “Sebastião da Gama – Poemas sentidos, falados, cantados e dançados”.
A XIV edição do Prémio Nacional de Poesia Sebastião da Gama teve como vencedora a obra O silêncio solar das manhãs, apresentada por António Canteiro (sob o pseudónimo de Rosa Cravo), e foi escolhida de um conjunto de cerca de seis dezenas de obras apresentadas a concurso por um júri constituído por Arlindo Mota, João Reis Ribeiro e José-António Chocolate.
António Canteiro é o pseudónimo de João Carlos Costa da Cruz, que nasceu em 1964, em S. Caetano, Cantanhede. Vive actualmente em Febres, Cantanhede. Exerce a profissão de Técnico Superior de Reinserção Social, junto dos reclusos do Estabelecimento Prisional Regional de Aveiro. Desde jovem colabora com vários jornais e revistas. Coeditou o trabalho de investigação “Questões étnicas questões éticas”, na revista Em comunicação, da DGRS. Participou numa edição do Projeto Integrado de Intervenção Precoce de Coimbra, O papel da família e da educação na intervenção precoce  (Edição PIIP). Com o romance Parede de adobo recebeu a Menção de Honra do Prémio Literário Carlos de Oliveira, em 2005 (Edição CSPSC). Com Poesia da terra e da água obteve uma Menção Honrosa no Prémio de Poesia do Município da Murtosa, em 2009. Com o romance Ao redor dos muros venceu o Prémio Literário Alves Redol, em 2009. (Edição Gradiva). Com Mar de poesia obteve o 2º Prémio de Poesia do Município da Murtosa, em 2011. Com o romance Largo da Capella obteve a Menção de Honra do Prémio Literário João Gaspar Simões, em 2011.
Recorde-se que na lista dos vencedores das anteriores edições deste Prémio constam os nomes de Maria do Rosário Pedreira (1988), Hugo Santos (1989 e 1991), Nuno Figueiredo (1990), Maria Graciete Besse (1992), Graça Pires (1993), João Carlos Lopes Pereira (1995), Alberto Marques (1997), Firmino Mendes (1999), António Menano (2001), Amadeu Baptista (2007), José Carlos Barros (1990 e 2009) e Paulo Assim (2011).

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dia 7 de dezembro - Assembleia extraordinária

"Pequeno poema" ou uma evocação do nascimento

"Pequeno poema" (Aqui e além. Dir: José Ribeiro dos Santos e Mário Neves. Lisboa: nº 3, Dezembro.1945, pg. 14)
O dia do nascimento quis perpetuá-lo Sebastião da Gama num dos seus textos poéticos. E assim surgiu “Pequeno Poema”, escrito em 7 de Maio de 1945 e, em Dezembro desse ano, publicado no terceiro número da revista Aqui e além e no seu primeiro livro, Serra Mãe, cuja primeira edição data também desse Dezembro. De tal forma a sua mensagem é forte, seja pela imagem da mãe, seja pela alegria de viver, que este texto aparece não raro nas antologias poéticas, temáticas ou não, como se pode ilustrar através dos seguintes exemplos: Leituras II [Virgílio Couto (org.). Lisboa: Livraria Didáctica, 1948?, pg. 74 (com o título “Quando eu nasci”)], Ser Mãe [Paula Mateus (sel.). Pássaro de Fogo Editora, 2006, pg. 45], A mãe na poesia portuguesa [Albano Martins (sel.). Lisboa: Público, 2006, pg. 310]. (JRR)

"Serra-Mãe", o primeiro livro de Sebastião da Gama

O primeiro livro de Sebastião da Gama foi Serra-Mãi (assim mesmo escrito), saído a público em Dezembro de 1945, com desenho de capa de Lino António, obra que muito cuidou e para a qual levou a preceito a selecção dos seus poemas.
Nesta altura, Sebastião da Gama, com 21 anos, era ainda estudante no curso de Românicas, na Faculdade de Letras de Lisboa. Tivera uma hipótese de a Livraria Portugália lhe editar o livro, mas, a 24 de Outubro, era-lhe dirigida uma carta, dizando que, naquele momento, não interessavam à editora “as publicações não integradas no plano” editorial, porque havia encargos com cerca de uma centena de originais, já pagos a autores e tradutores, e não havia como “dar vazão” a esse trabalho.
A família de Sebastião da Gama assumiu, então, os encargos financeiros advenientes da edição e o livro foi publicado com a chancela da Portugália, enquanto distribuidora. Com obra, dedicada a Alexandre Cardoso, seu tio, assumia o risco de vir a ser o “poeta da Arrábida”, elegendo a s…