Avançar para o conteúdo principal

Sebastião da Gama na Escola Básica 2, 3 de Vialonga

Ontem, estive na Escola Básica 2, 3 de Vialonga (no concelho de Vila Franca de Xira) para falar a alunos de 9º ano sobre Sebastião da Gama e lhes apresentar o documentário “Meu caminho é por mim fora”, que navega pela vida e pela obra (poética, educadora e cívica) do poeta da Arrábida, correspondendo a um convite intermediado pelo Tiago Machete, professor e meu antigo aluno. Comigo, levei a Joana Luísa, esposa de Sebastião da Gama, que, nos seus quase 87 anos, gosta de acompanhar o que sobre o marido se vai fazendo.
Esta ida à Escola revestiu-se de várias surpresas, que me sensibilizaram: a iniciativa de a Escola ter realizado uma exposição com fotografias e poemas de Sebastião da Gama, arejada, estruturalmente pensada, para o público ver e ficar a saber e não para impressionar pela quantidade, eivada de simplicidade e harmonia, onde nem faltaram a areia e as conchas da Arrábida (levadas pelo Tiago) a salpicarem os livros de Sebastião da Gama; a presença de cerca de 50 alunos de 9º ano, interessados e atentos, motivados na descoberta e para a revelação de algo que lhes ia ser proporcionado; a participação de alguns alunos na leitura de poemas (que devo mencionar: Marta e Raquel, do 9º B; Sofia e António, do 9º D; Lisandra, Pedro e Diana, do 9º E; Gonçalo e Joana, do 9º F; Raja, do 9º FPI), de que me parece justo destacar o entusiasmo e a vida que a Lisandra conferiu ao texto “Pequeno Poema” e a ternura e delicadeza que o Pedro e a Diana puseram no “Madrigal”; o interesse e a sensibilidade com que os professores seguiram a sua (também) (re)descoberta deste poeta e a emoção com que um me veio dizer, no final, que tinha descoberto o Diário havia muito tempo (sem saber que o tinha descoberto) e que se impressionara com a vida que daquela obra jorra.
Gostei desta participação e aqui deixo o agradecimento pelo que me proporcionaram. - JRR

Comentários

  1. venho só por este meio reforçar a minha satisfação pela vossa vinda à EB 2,3 de Vialonga na passada 4ª feira. Sou o professor dos alunos de uma das turmas de 9º ano (o 9ºD) e ainda hoje na aula estivemos a falar sobre algumas descobertas que tinhamos feito sobre a vida e obra de Sebastião da Gama com a vossa sessão: os poemas inéditos, a sua humanidade, a sua maneira simples e bonita de olhar em seu redor, a paixão pela Serra da Arrábida, por aquele estado da natureza.
    Para mim foi muito muito positivo ter estado presente e desde já vos agradeço a oportunidade que me deram (que nos deram) de conhecer mais e melhor este poeta.

    E agora que venha a nova edição do Diário.
    Bem haja a todos vós.

    ResponderEliminar
  2. Fui uma das professoras que assistiu à sessão e que preparou os alunos para a actividade. Confesso que gostei de saber mais ao pormenor a vida de Sebatião da Gama e que me surpreendi com a atenção e curiosidade com que os meus alunos acompanharam toda a sessão. Mais tarde, quando lhes perguntei se tinham gostado, ouvi quase em uníssono " Ya stôra, por acaso bué fixe!".
    E com isto me fico...

    ResponderEliminar
  3. Creio que Sebastião da Gama teria gostado de ouvir este « Ya stôra, por acaso bué fixe!»

    Parabéns a todos os intervenientes, incluindo o próprio Poeta.

    Anita

    ResponderEliminar
  4. Esperava uma sessão interessante, mas foi muito mais do que isso! Motivou os meus alunos presentes, e também leitores, a uma partilha entusiástica das descobertas feitas nesta actividade.
    A comprová-lo está a solicitação de uma aula para poderem reler alguns poemas e ao mesmo tempo falar um pouco de Sebastião da Gama aos alunos da turma que não estiveram presentes
    (o objectivo é a reprodução das informações "descobertas" através das palavras do prof. João Ribeiro).
    Sou só o porta-voz do nosso agradecimento
    A professora de Língua Portuguesa do 9ºE

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Dia 7 de dezembro - Assembleia extraordinária

"Pequeno poema" ou uma evocação do nascimento

"Pequeno poema" (Aqui e além. Dir: José Ribeiro dos Santos e Mário Neves. Lisboa: nº 3, Dezembro.1945, pg. 14)
O dia do nascimento quis perpetuá-lo Sebastião da Gama num dos seus textos poéticos. E assim surgiu “Pequeno Poema”, escrito em 7 de Maio de 1945 e, em Dezembro desse ano, publicado no terceiro número da revista Aqui e além e no seu primeiro livro, Serra Mãe, cuja primeira edição data também desse Dezembro. De tal forma a sua mensagem é forte, seja pela imagem da mãe, seja pela alegria de viver, que este texto aparece não raro nas antologias poéticas, temáticas ou não, como se pode ilustrar através dos seguintes exemplos: Leituras II [Virgílio Couto (org.). Lisboa: Livraria Didáctica, 1948?, pg. 74 (com o título “Quando eu nasci”)], Ser Mãe [Paula Mateus (sel.). Pássaro de Fogo Editora, 2006, pg. 45], A mãe na poesia portuguesa [Albano Martins (sel.). Lisboa: Público, 2006, pg. 310]. (JRR)

"Serra-Mãe", o primeiro livro de Sebastião da Gama

O primeiro livro de Sebastião da Gama foi Serra-Mãi (assim mesmo escrito), saído a público em Dezembro de 1945, com desenho de capa de Lino António, obra que muito cuidou e para a qual levou a preceito a selecção dos seus poemas.
Nesta altura, Sebastião da Gama, com 21 anos, era ainda estudante no curso de Românicas, na Faculdade de Letras de Lisboa. Tivera uma hipótese de a Livraria Portugália lhe editar o livro, mas, a 24 de Outubro, era-lhe dirigida uma carta, dizando que, naquele momento, não interessavam à editora “as publicações não integradas no plano” editorial, porque havia encargos com cerca de uma centena de originais, já pagos a autores e tradutores, e não havia como “dar vazão” a esse trabalho.
A família de Sebastião da Gama assumiu, então, os encargos financeiros advenientes da edição e o livro foi publicado com a chancela da Portugália, enquanto distribuidora. Com obra, dedicada a Alexandre Cardoso, seu tio, assumia o risco de vir a ser o “poeta da Arrábida”, elegendo a s…