quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Dos associados (1) - António Osório

De António Osório, nosso associado, foi publicado, no último trimestre de 2009, o volume A Luz Fraterna (Lisboa: Assírio & Alvim, 2009), que reúne os seus títulos de poesia e inclui um prefácio assinado por Eugénio Lisboa e uma entrevista efectuada por Ana Marques Gastão (publicada na revista DNA, em 2001).
O leitor poderá ainda avaliar o que foi o percurso poético de António Osório pelos excertos críticos que são compilados no final do volume, por onde passam as vozes autorizadas de João Gaspar Simões (“a poesia de António Osório realiza, com ritmos antigos, imagens consagradas, sentimentos quotidianos, aspirações serenas, saudades calmas, um corpo poético como outro não havia nos anais do nosso lirismo contemporâneo”, 1979), Fernando Guimarães (“o psicologismo que pode haver nos poemas de António Osório é sobretudo encontro com os outros, com os lugares, com o mundo”, 1981), David Mourão-Ferreira (“convivem, no espaço do poema, os mortos e os vivos, o passado e o presente, a memória e o quotidiano numa teia subtil de sugeridas relações ou de perturbantes contrapontos”, 1981), Fernando J. B. Martinho (“por mais reflexivos e filosóficos que os seus poemas possam ser, nunca esquecem o lado emocional e afectivo da natureza humana”, 1982), entre muitos outros.
A esta obra foi atribuído o prémio “Autores SPA / RTP – 2010”, na categoria de “Melhor Livro de Poesia”, entregue em 8 de Fevereiro.
António Osório, que conheceu Sebastião da Gama e com ele privou, dedicou-lhe um poema incluído no seu livro de 1978, A ignorância da morte, que aqui reproduzimos. Refira-se que António Osório escreveu ainda sobre Sebastião da Gama um lindo e longo texto evocativo e memorialístico, incluído na obra Vozes Íntimas (Lisboa: Assírio & Alvim, 2008, pp. 123-151), intitulado “Os amigos de Sebastião da Gama”, escrito que foi também inserido na colectânea que a Associação Cultural Sebastião da Gama editou em 2007, Sebastião da Gama – O poeta e o professor – Estudos e perspectivas (pp. 23-49). - JRR

Sem comentários:

Enviar um comentário