Avançar para o conteúdo principal

Dos associados (29): Rui Peixoto e o quotidiano azeitonense dos anos 20


A apresentação pública foi já no final de Junho, mas a obra merece referência: falo de O Azeitonense, semanário publicado em Azeitão entre 3 de Agosto de 1919 e 25 de Julho de 1920. Cerca de um ano durou a publicação, de que saíram 51 números.
Em Junho passado, foi feita a apresentação de uma edição facsimilada deste jornal, trabalho devido ao nosso associado Rui Peixoto, ainda que com a colaboração de Pedro Marquês de Sousa, Leonardo Bento e António Eduardo Chumbinho. Para se avaliar da dificuldade deste trabalho, bastará pensar que, na Biblioteca Municipal de Setúbal, existem apenas 15 números desta publicação; um particular, Francisco Lavrador, ofereceu ao Jornal de Azeitão uma colecção em que constam 40 números; a totalidade da colecção existe apenas na Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, recurso que ocupou Rui Peixoto na sua pesquisa.
Qual era a intenção do jornal dirigido por Gastão Faria de Bettencourt? Logo no número inaugural, a linguagem era clara no artigo intitulado “O nosso intuito”: “O nosso semanário será órgão defensor dos interesses de Azeitão, completamente alheio a política.”
Ao longo das cinco dezenas de números editados, há referências a figuras importantes da vida cultural portuguesa, notícias locais, sugestões para melhoramentos na freguesia, versos de poetas locais e de outros de renome nacional e anúncios (no primeiro número, já se fala dos “deliciosos bolos de Azeitão” de Manuel Rodrigues, “o Cego”, por exemplo, ou de José Maria da Fonseca, numa página que reúne 17 anunciantes).
São duas centenas de páginas com que se fez a história do quotidiano azeitonense, não apenas com interesse devido à curiosidade mas sobretudo para sentir a dinâmica que animava a vila. Um trabalho que deve ser agradecido a Rui Peixoto! – JRR

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dia 7 de dezembro - Assembleia extraordinária

"Pequeno poema" ou uma evocação do nascimento

"Pequeno poema" (Aqui e além. Dir: José Ribeiro dos Santos e Mário Neves. Lisboa: nº 3, Dezembro.1945, pg. 14)
O dia do nascimento quis perpetuá-lo Sebastião da Gama num dos seus textos poéticos. E assim surgiu “Pequeno Poema”, escrito em 7 de Maio de 1945 e, em Dezembro desse ano, publicado no terceiro número da revista Aqui e além e no seu primeiro livro, Serra Mãe, cuja primeira edição data também desse Dezembro. De tal forma a sua mensagem é forte, seja pela imagem da mãe, seja pela alegria de viver, que este texto aparece não raro nas antologias poéticas, temáticas ou não, como se pode ilustrar através dos seguintes exemplos: Leituras II [Virgílio Couto (org.). Lisboa: Livraria Didáctica, 1948?, pg. 74 (com o título “Quando eu nasci”)], Ser Mãe [Paula Mateus (sel.). Pássaro de Fogo Editora, 2006, pg. 45], A mãe na poesia portuguesa [Albano Martins (sel.). Lisboa: Público, 2006, pg. 310]. (JRR)

"Serra-Mãe", o primeiro livro de Sebastião da Gama

O primeiro livro de Sebastião da Gama foi Serra-Mãi (assim mesmo escrito), saído a público em Dezembro de 1945, com desenho de capa de Lino António, obra que muito cuidou e para a qual levou a preceito a selecção dos seus poemas.
Nesta altura, Sebastião da Gama, com 21 anos, era ainda estudante no curso de Românicas, na Faculdade de Letras de Lisboa. Tivera uma hipótese de a Livraria Portugália lhe editar o livro, mas, a 24 de Outubro, era-lhe dirigida uma carta, dizando que, naquele momento, não interessavam à editora “as publicações não integradas no plano” editorial, porque havia encargos com cerca de uma centena de originais, já pagos a autores e tradutores, e não havia como “dar vazão” a esse trabalho.
A família de Sebastião da Gama assumiu, então, os encargos financeiros advenientes da edição e o livro foi publicado com a chancela da Portugália, enquanto distribuidora. Com obra, dedicada a Alexandre Cardoso, seu tio, assumia o risco de vir a ser o “poeta da Arrábida”, elegendo a s…