Avançar para o conteúdo principal

Para a agenda: António Manuel Couto Viana biografado por Ricardo Saavedra


António Manuel Couto Viana foi amigo de Sebastião da Gama, tendo ambos convivido no círculo de amizades de David Mourão-Ferreira e em torno da revista Távola Redonda. Foi nosso associado desde o início, tendo participado em várias sessões levadas a cabo pela Associação Cultural Sebastião da Gama.
No final da vida, um amigo, Ricardo Saavedra, fez-lhe longa entrevista, em muitas horas e tardes de conversa, de que haveria de nascer um livro. Couto Viana disse-se para esse livro, mas não o chegou a ver. Essa extensa conversa-livro, produzido a quatro mãos, vai ser agora apresentada, sob o título António Manuel Couto Viana - Memorial do Coração (Quetzal Editores), enriquecendo o programa da edição deste ano da Feira do Livro de Lisboa.
Na contracapa da obra, pode ler-se:
«Este Memorial é um inusitado passeio pelos meandros culturais da segunda metade do século passado. Os protagonistas desdobraram o roteiro numa incontida conversa a quatro mãos, que começa ao lado do conjunto monumental da sala de visitas de Viana do Castelo e, sem paragens, se vai desenrolando em diferentes locais, de Braga a Lisboa, de Coimbra ao Porto, ou mais longe, do Brasil a África, a Macau e a tantos outros míticos recantos no oriente do Oriente.
Em busca de quê? Do ‘coração sensitivo e letrado’, do Poeta que nasceu no palco, que introduziu o teatro infanto-juvenil em Portugal e ressuscitou o teatro de títeres, que durante duas décadas teve, só na capital, quase um milhão de crianças a esgotar os seus 1800 espectáculos, e que em peças para adultos deu uma lufada de ar fresco nos obsoletos tablados. Que se amesendou na Távola Redonda para reformular o lirismo vigente.
Foi o Poeta que mais escreveu sobre os seus irmãos poetas, chegando a criar-lhes um dicionário, pois passou a vida a divulgar o lado nem sempre visível da cultura da sua geração. Daí que neste passeio se cruzem nomes, muitas centenas de nomes, artistas de gabarito ou nem tanto e literatos de todas as safras, sem se olhar às cores da tinta, antes ao talento da obra. E, quando todas as paisagens parecem esgotadas, quando nos julgamos chegados ao ponto de não regresso, eis que, de repente, surge o velho de novo. António Manuel Couto Viana volta, por mão própria, nestas páginas.»
A obra recolhe ainda testemunhos sobre o entrevistado e é completada com um acervo fotográfico e diversa iconografia relacionada com Couto Viana.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dia 7 de dezembro - Assembleia extraordinária

"Pequeno poema" ou uma evocação do nascimento

"Pequeno poema" (Aqui e além. Dir: José Ribeiro dos Santos e Mário Neves. Lisboa: nº 3, Dezembro.1945, pg. 14)
O dia do nascimento quis perpetuá-lo Sebastião da Gama num dos seus textos poéticos. E assim surgiu “Pequeno Poema”, escrito em 7 de Maio de 1945 e, em Dezembro desse ano, publicado no terceiro número da revista Aqui e além e no seu primeiro livro, Serra Mãe, cuja primeira edição data também desse Dezembro. De tal forma a sua mensagem é forte, seja pela imagem da mãe, seja pela alegria de viver, que este texto aparece não raro nas antologias poéticas, temáticas ou não, como se pode ilustrar através dos seguintes exemplos: Leituras II [Virgílio Couto (org.). Lisboa: Livraria Didáctica, 1948?, pg. 74 (com o título “Quando eu nasci”)], Ser Mãe [Paula Mateus (sel.). Pássaro de Fogo Editora, 2006, pg. 45], A mãe na poesia portuguesa [Albano Martins (sel.). Lisboa: Público, 2006, pg. 310]. (JRR)

"Serra-Mãe", o primeiro livro de Sebastião da Gama

O primeiro livro de Sebastião da Gama foi Serra-Mãi (assim mesmo escrito), saído a público em Dezembro de 1945, com desenho de capa de Lino António, obra que muito cuidou e para a qual levou a preceito a selecção dos seus poemas.
Nesta altura, Sebastião da Gama, com 21 anos, era ainda estudante no curso de Românicas, na Faculdade de Letras de Lisboa. Tivera uma hipótese de a Livraria Portugália lhe editar o livro, mas, a 24 de Outubro, era-lhe dirigida uma carta, dizando que, naquele momento, não interessavam à editora “as publicações não integradas no plano” editorial, porque havia encargos com cerca de uma centena de originais, já pagos a autores e tradutores, e não havia como “dar vazão” a esse trabalho.
A família de Sebastião da Gama assumiu, então, os encargos financeiros advenientes da edição e o livro foi publicado com a chancela da Portugália, enquanto distribuidora. Com obra, dedicada a Alexandre Cardoso, seu tio, assumia o risco de vir a ser o “poeta da Arrábida”, elegendo a s…