Avançar para o conteúdo principal

Joana Luísa, 89 anos

O mês de Fevereiro de 1923 acabou numa quarta-feira, 28. Nesse dia, em Azeitão, nascia Joana Luísa Rodrigues. Passam hoje 89 anos.
Uma relação de amizade converteu-se depois numa história de amor e, em Maio de 1951, Joana Luísa casava com Sebastião da Gama, no Convento da Arrábida. Era o início de uma etapa, curta etapa, que duraria nove meses, até à morte, em Fevereiro de 1952, de Sebastião da Gama.
Poderia a obra do poeta azeitonense ficar-se por ali, reduzir-se aos três títulos que publicara e a mais uns quantos textos dispersos por jornais. Podia, de facto. Mas o destino encarregou-se de continuar a dar a conhecer a obra do poeta.
O destino e Joana Luísa. Pois. Mantendo o círculo de amigos de Sebastião da Gama, Joana Luísa foi deixando que a obra do marido viesse a público, foi incentivando que a obra tivesse conhecimento alargado e que, postumamente, o nome de Sebastião da Gama alcançasse os contornos que hoje tem. Trabalho de Joana Luísa, com a concordância de Sérgio Gama, seu cunhado e irmão mais velho de Sebastião, sob a orientação e as leituras de amigos como David Mourão-Ferreira, Maria de Lourdes Belchior, Lindley Cintra, Matilde Rosa Araújo, Couto Viana e Luís Amaro.
Não tivesse sido a dedicação e persistência de Joana Luísa e os leitores de hoje não conheceriam a maior parte da obra de Sebastião da Gama – do Diário, dos poemas, das cartas.
Passam hoje 89 anos de uma vida que teve muitos anos dedicados à poesia da Arrábida e à preservação da memória de Sebastião da Gama. Infelizmente, não podemos contar hoje com a dedicação e a disponibilidade de Joana Luísa, pois a doença venceu-a e, desde Agosto, está muito limitada devido a um avc de que foi vítima. Mas o percurso da obra de Sebastião da Gama deve-lhe imenso, é justo reconhecê-lo. E os leitores de Sebastião da Gama igualmente têm com ela esta dívida de gratidão. E, neste dia dos seus 89 anos, justo é homenageá-la.
A memória que Joana Luísa conservou de Sebastião da Gama tem sido primordial para a reconstituição da sua biografia e da sua leitura. E, a breve prazo, os leitores poderão aceder a uma parte das memórias de Joana Luísa, em trabalho que a Associação Cultural Sebastião da Gama irá editar.
Para já, fica o assinalar deste dia. Com uma flor de poesia. Com a nossa gratidão. Com o afecto devido pelas coisas reveladas.
Parabéns a Joana Luísa pelos seus 89 anos! Parabéns a Joana Luísa por este itinerário também feito pela poesia fora! - JRR
[foto: Joana Luísa, em Maio de 2006, na Arrábida]

Comentários

  1. Muitos parabéns à D. Joana Luísa! Mulher com "M" grande como o seu marido/poeta Sebastião da Gama.
    António Serra (Associado nº 289)

    ResponderEliminar
  2. Parabéns muito sentidos a D. Joana Luísa e, através dela, ao " nosso " poeta e à Poesia.

    Um simples admirador.

    ResponderEliminar
  3. É caso para dizer que Joana Luísa foi mais que uma grande mulher por detrás de um homem!
    Parabéns Joana Luisa pelo aniversário e Parabens pela enorme abnegação e amor ao poeta e à poesia.

    Anita Vilar

    ResponderEliminar
  4. GRANDES PARABENS A NOSSA AMIGA JOANA LUISA
    Mariagrazia Russo

    ResponderEliminar
  5. Felicitações a Joana Luísa da Gama, pessoa admirável como poucas e a quem todos temos que estar gratos por ter mantido bem viva a presença de Sebastião, da sua obra, da sua poesia!

    José Carlos Costa Marques

    ResponderEliminar
  6. Parabéns a Joana Luísa neste dia do seu aniversário. As suas melhoras.

    José - António Chocolate

    ResponderEliminar
  7. Parabéns Joana Luísa. O seu amor transbordou para todos nós: Obrigada.

    Soledade Almeida

    ResponderEliminar
  8. Boa tarde D.Joana Gama
    Eu sou a Joana,a senhora sabe quem sou.
    Peço desculpa por ainda não ter respondido à sua carta,mas não tive oportunidade e infelizmente já a recebi depois da palestra na Escola Sebastião da Gama.
    Vou responder-lhe brevemente,mas tudo o que disse na sua carta esta correcto sou essa rapariga mesmo.
    Rápidas melhoras,ainda quero dar-lhe os parabéns em 2013.
    Beijinho grande

    Joana Rita

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Dia 7 de dezembro - Assembleia extraordinária

"Pequeno poema" ou uma evocação do nascimento

"Pequeno poema" (Aqui e além. Dir: José Ribeiro dos Santos e Mário Neves. Lisboa: nº 3, Dezembro.1945, pg. 14)
O dia do nascimento quis perpetuá-lo Sebastião da Gama num dos seus textos poéticos. E assim surgiu “Pequeno Poema”, escrito em 7 de Maio de 1945 e, em Dezembro desse ano, publicado no terceiro número da revista Aqui e além e no seu primeiro livro, Serra Mãe, cuja primeira edição data também desse Dezembro. De tal forma a sua mensagem é forte, seja pela imagem da mãe, seja pela alegria de viver, que este texto aparece não raro nas antologias poéticas, temáticas ou não, como se pode ilustrar através dos seguintes exemplos: Leituras II [Virgílio Couto (org.). Lisboa: Livraria Didáctica, 1948?, pg. 74 (com o título “Quando eu nasci”)], Ser Mãe [Paula Mateus (sel.). Pássaro de Fogo Editora, 2006, pg. 45], A mãe na poesia portuguesa [Albano Martins (sel.). Lisboa: Público, 2006, pg. 310]. (JRR)

"Serra-Mãe", o primeiro livro de Sebastião da Gama

O primeiro livro de Sebastião da Gama foi Serra-Mãi (assim mesmo escrito), saído a público em Dezembro de 1945, com desenho de capa de Lino António, obra que muito cuidou e para a qual levou a preceito a selecção dos seus poemas.
Nesta altura, Sebastião da Gama, com 21 anos, era ainda estudante no curso de Românicas, na Faculdade de Letras de Lisboa. Tivera uma hipótese de a Livraria Portugália lhe editar o livro, mas, a 24 de Outubro, era-lhe dirigida uma carta, dizando que, naquele momento, não interessavam à editora “as publicações não integradas no plano” editorial, porque havia encargos com cerca de uma centena de originais, já pagos a autores e tradutores, e não havia como “dar vazão” a esse trabalho.
A família de Sebastião da Gama assumiu, então, os encargos financeiros advenientes da edição e o livro foi publicado com a chancela da Portugália, enquanto distribuidora. Com obra, dedicada a Alexandre Cardoso, seu tio, assumia o risco de vir a ser o “poeta da Arrábida”, elegendo a s…