sábado, 12 de fevereiro de 2011

Diário, de Sebastião da Gama - pela primeira vez completo

É já a partir da próxima semana que o leitor poderá encontrar nas livrarias a mais recente edição do Diário, de Sebastião da Gama, título que inaugura a colecção das suas “Obras Completas” (Lisboa: Editorial Presença), em que serão incluídos os títulos já publicados e textos até hoje inéditos ou nunca publicados em livro (declaração de interesses: sou coordenador da colecção).
Relativamente a esta edição do Diário, as novidades resultam do facto de ser a primeira edição completa da obra que Sebastião da Gama legou (uma vez que as anteriores edições sempre omitiram partes do manuscrito por razões editoriais) e de ser uma edição anotada (por onde passam quase três centenas de notas de contextualização ou informação adicional).
Não sendo uma edição crítica, esta edição do Diário é estabelecida a partir do original manuscrito do professor e poeta. Num total de 356 páginas, o volume integra, além do escrito de Sebastião da Gama, o estudo introdutório “Sebastião da Gama: A Voz do Poeta – Da Poesia e do Diário” (48 páginas), “Para uma cronologia de Sebastião da Gama” (16 páginas), o prefácio da primeira edição (1958) e um conjunto de sete anexos que Sebastião da Gama incluiu no seu diário.
Obra que contém referências pedagógicas ainda hoje válidas, que dá voz aos alunos protagonistas da experiência lectiva vivida por Sebastião da Gama em Lisboa e em Estremoz, que é marcada pelo espaço de reflexão do professor perante as aulas leccionadas e perante o seu público, que dá uma imagem do que pode ser o professor de Português, que se afirma também como documento literário, este Diário bem deveria ter leitura obrigatória por parte de todos quantos se interessam pela causa da educação (independentemente do papel que aí desempenham).
Recorde-se que, em Abril de 2010, um conjunto apreciável de excertos desta obra mereceu tradução italiana (Frammenti di ‘Diario', tradução de Maria Antonietta Rossi) e integra o curriculum académico na Universidade de Viterbo. - JRR

Sem comentários:

Enviar um comentário