Avançar para o conteúdo principal

Sebastião da Gama na Casa do Alentejo




A Casa do Alentejo, em Lisboa, em colaboração com a LINCEMOZ (Liga dos Naturais e Amigos do Concelho de Estremoz), de que é Presidente António Lopes, resolveu prestar uma justa homenagem a Sebastião da Gama.
A cerimónia realizou-se no passado dia 20 de Março, pelas 18h30, num dos magníficos salões da referida Casa do Alentejo, em Lisboa, integrada numa das suas já conhecidas Tertúlias Culturais.
A justificar esta homenagem está, entre outras razões, o facto de Sebastião da Gama ter sido professor em Estremoz, onde deixou, à semelhança de outras localidades e Escolas onde leccionou, muitas e inesquecíveis recordações, não só entre os alunos mas também em toda a população.
A presidir a este evento esteve Rosa Calado (da Direcção da Casa do Alentejo), ladeada por Manuel Herculano (da Associação Cultural Sebastião da Gama), António Lopes (da Associação Lincemoz) e Manuel Xarepe (em representação dos alunos de Sebastião da Gama, em Estremoz).
De salientar a presença de um numeroso grupo de participantes (ex-alunos, simpatizantes e amigos de Sebastião da Gama) que, após as intervenções dos elementos organizadores, enalteceram a figura e obra do homenageado assim se associando a esta homenagem com lindos testemunhos pessoais e leitura de vários textos e poemas de Sebastião da Gama.


A finalizar, houve até a agradável surpresa de uma representação cénica por um grupo de sete elementos de dois lindos poemas de Sebastião da Gama: «Nasci para ser ignorante» e «Quatro mil soldados», que, diga-se em abono da verdade, deixou encantada toda a assistência.
Como já foi referido, a nossa Associação Cultural Sebastião da Gama esteve representada por Manuel Herculano, que, na sua intervenção, abordou o perfil humano e a obra literária, poética e pedagógica de Sebastião da Gama, que, como sabemos, é hoje reconhecida a nível nacional e no estrangeiro.
Aqui ficam os nossos agradecimentos à Casa do Alentejo e aos organizadores deste  magnífico e inesquecível ENCONTRO CULTURAL.

[Fotos: dois momentos da tertúlia na Casa do Alentejo - a mesa que presidiu à sessão e o grupo que a encerrou.]

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Pequeno poema" ou uma evocação do nascimento

"Pequeno poema" (Aqui e além. Dir: José Ribeiro dos Santos e Mário Neves. Lisboa: nº 3, Dezembro.1945, pg. 14)
O dia do nascimento quis perpetuá-lo Sebastião da Gama num dos seus textos poéticos. E assim surgiu “Pequeno Poema”, escrito em 7 de Maio de 1945 e, em Dezembro desse ano, publicado no terceiro número da revista Aqui e além e no seu primeiro livro, Serra Mãe, cuja primeira edição data também desse Dezembro. De tal forma a sua mensagem é forte, seja pela imagem da mãe, seja pela alegria de viver, que este texto aparece não raro nas antologias poéticas, temáticas ou não, como se pode ilustrar através dos seguintes exemplos: Leituras II [Virgílio Couto (org.). Lisboa: Livraria Didáctica, 1948?, pg. 74 (com o título “Quando eu nasci”)], Ser Mãe [Paula Mateus (sel.). Pássaro de Fogo Editora, 2006, pg. 45], A mãe na poesia portuguesa [Albano Martins (sel.). Lisboa: Público, 2006, pg. 310]. (JRR)
Dia 7 de dezembro - Assembleia extraordinária

"Serra-Mãe", o primeiro livro de Sebastião da Gama

O primeiro livro de Sebastião da Gama foi Serra-Mãi (assim mesmo escrito), saído a público em Dezembro de 1945, com desenho de capa de Lino António, obra que muito cuidou e para a qual levou a preceito a selecção dos seus poemas.
Nesta altura, Sebastião da Gama, com 21 anos, era ainda estudante no curso de Românicas, na Faculdade de Letras de Lisboa. Tivera uma hipótese de a Livraria Portugália lhe editar o livro, mas, a 24 de Outubro, era-lhe dirigida uma carta, dizando que, naquele momento, não interessavam à editora “as publicações não integradas no plano” editorial, porque havia encargos com cerca de uma centena de originais, já pagos a autores e tradutores, e não havia como “dar vazão” a esse trabalho.
A família de Sebastião da Gama assumiu, então, os encargos financeiros advenientes da edição e o livro foi publicado com a chancela da Portugália, enquanto distribuidora. Com obra, dedicada a Alexandre Cardoso, seu tio, assumia o risco de vir a ser o “poeta da Arrábida”, elegendo a s…