quarta-feira, 21 de março de 2012

"Louvor da Poesia", no Dia Mundial da Poesia

Ao celebrar-se o dia Mundial da Poesia, que melhor forma para o assinalar do que relendo aquele que pode ser o “testamento poético” de Sebastião da Gama?
O poema “Louvor da Poesia”, datado de 7 de Fevereiro de 1950 – exactamente dois anos antes da morte do poeta –, integrou a terceira obra de Sebastião da Gama, Campo aberto, publicado em 1951, e, em manuscrito, tem uma dedicatória para Vergílio Couto, que foi o professor metodólogo de Sebastião da Gama no estágio da Escola Veiga Beirão.
No final de 1951, estava a ser preparado o nº 4 da revista Sísifo, dirigida a partir de Coimbra por Manuel Breda Simões, que traria esse poema de Sebastião da Gama e um outro, mais recente, “Anunciação”. A revista dava ainda conta das respostas do poeta azeitonense a um inquérito preparado para uma revista espanhola, cuja quarta pergunta era: “Que pensa da Poesia em geral e da sua própria Poesia?” A resposta de Sebastião da Gama era objectiva: “Minhas ideias acerca da poesia. Vide: Louvor da Poesia, in Campo Aberto. Será tudo? Olhe que a resposta não é para posar. É que só nos versos sei o que penso da Poesia.”
Infelizmente, Sebastião da Gama já não veria este número da revista coimbrã, pois que a sua saída ocorreu já em 1952, depois da morte do poeta. Por isso, o mesmo número que trazia a resposta ao inquérito e os dois poemas integrava também uma primeira página revestida de luto – “Quando este 4º fascículo já estava em andamento, (…) recebemos, pela notícia singela de um jornal da tarde, o golpe duro da morte de um querido amigo – Sebastião da Gama.”
A nota anunciava ainda um próximo número da revista de homenagem ao poeta. Infelizmente, não chegou a acontecer, porque a Sísifo teve a sua derradeira publicação com este quarto número.
Aqui fica a evocação. Neste Dia Mundial da Poesia do ano em que passam também 60 anos sobre a morte de Sebastião da Gama. Seja o louvor da Poesia, seja! - JRR

3 comentários:

  1. Neste dia Mundial da Poesia, Sebastião da Gama está (tem de estar) sempre presente. Este seu precioso manuscrito "Louvor da Poesia" potencia ainda mais a sua presença.
    Obrigada por esta especial reflexão sobre POESIA.

    ResponderEliminar
  2. Sempre bom saber.
    Assim seja!
    Abraço,
    paulo

    ResponderEliminar
  3. Gostaria de dizer tanto, porque hoje foi um dia cheio de poesia.
    Deixo aqui o meu tributo a S. Gama e à Serra:

    Arrábida serra
    Violada por ferro e fogo
    Sempre virgem, pura e mãe!

    Hoje, muito se leu do nosso Sebastião da Gama e da nossa Serra! Abençoadas palavras que nos deixam o melhor que há na Humanidade que segue em busca do Amor, da Paz e da Justiça.

    Anita Vilar

    ResponderEliminar